quinta-feira, 28 de abril de 2011

Confiança e sinceriade



Tenho pensado muito em temas como sinceridade e confiança, como somos seres sociais dependemos da relação com o outro e em diversos níveis de comprometimento. Em nossas relações mais próximas com o outro, com um nível maior de compartilhamento dos nossos diversos aspectos, é primordial o sentimento de confiança.

Essa confiança não depende, como sabemos, apenas dos outros, não implica simplesmente em uma pessoa querer confiar em mim, eu tenho que fazê-la sentir que sou uma pessoa confiável. Tenho/temos que ser sinceros para que as pessoas nos conheçam e dispensem ou não, seu sentimento de confiança em nós.

Quando a confiança é arquitetada sobre um terreno de inverdades não se torna sólida é o contato/relação, vai balançando como uma pilha de coisas empilhadas sem planejamento, e em um certo momento, desmorona! Aí o desgosto é evidente.

Não devemos ser ingênuos, em certo nível, todas as nossas relações vão nos causar danos, pois o que é intrínseco do ser humano é a mudança. O não pertencimento a um padrão imutável, estamos sempre nos reajustando, o que de fato interfere em nossas relações. É exatamente aí que a sinceridade vem em nosso auxílio, em se dizer, dizer suas verdades, seus momentos, mesmo que esses não se pareçam permanentes.

Há pensamentos como:

"A sinceridade imprudente é uma espécie de nudez que nos torna indecentes e desprezíveis." Marquês de Maricá

"Nenhum homem merece uma confiança ilimitada - na melhor das hipóteses, a sua traição espera uma tentação suficiente."
Henry Mencken

"A sinceridade imprudente é uma espécie de nudez que nos torna indecentes e desprezíveis."
Marquês de Maricá


... Nos fazem pensar sobre o quão devemos ser sinceros, o quanto serão sinceros conosco...

Mas só quem é verdadeiro a qualquer custo, entende a tranquilidade que isso traz, o prazer de não se atormentar com algo pendente!

"Um ato de confiança dá paz e serenidade."
Fiodor Dostoievski


“A confiança por vezes pode levar à ruína”, se encontra muita coisa dita a esse respeito. Por isso a necessidade de se confiar em pessoas que se mostrem o mais verdadeiras possível. Isso não significa que essa relação não vá causar "dor" mas as possibilidades diminuem!

A confiança exagerada, ilimitada, é decorrente da falta de auto-confiança, e é de fato desesperador, quando precisamos confiar em outra pessoa, pois estamos tão enfraquecidos que não somos um bom juizo!



"O mais importante para o homem é crer em si mesmo. Sem esta confiança em seus recursos, em sua inteligência, em sua energia, ninguém alcança o triunfo a que aspira."
Thomas Atkinson


Mais alguns pensamentos acerca dessas duas palavras mediadoras de toda nossa vida relacional com o outro. Seria bom para nossa geração começar a pensar e agir com maior sinceridade, orientados à honestidade e respeito, para que possamos confiar, não de forma cega e alienada, (assunto muito delicado, com muita possibilidade de explanação!) mas de modo que saibamos o que acontece e quem é digno de assumir o lugar de outro nas nossas tão preciosas relações. Afinal, esse outo pode ser, o nosso representante político, o nosso companheiro, nossos amigos!




bjos à quem ainda anda lendo o que eu raramente posto, vocês são demais!! heheh
Eu daria um prêmio a vocês, mas não tenho recursoso!

bjos... até qualquer post!


"Coloque a lealdade e a confiança acima de qualquer coisa; não te alies aos moralmente inferiores; não receies corrigir teus erros."
Confúcio


"O homem que tem confiança em si ganha a confiança dos outros."
Textos Judaicos


"Presta confiança às acções dos homens, mas não ao que eles dizem." Demófilo


quarta-feira, 13 de abril de 2011

Para Viver Um Grande Amor

[Vinicius de Moraes]



Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque é só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor. É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor.

Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.

Para viver um grande amor, il faut além de fiel, ser bem conhecedor de arte culinária e de judô — para viver um grande amor.

Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor.

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor...

Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor?

Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor.

É preciso saber tomar uísque (com o mau bebedor nunca se arrisque!) e ser impermeável ao diz-que-diz-que — que não quer nada com o amor.

Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva obscura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor.

dez_interessantes

About Author